segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Entrevista Exclusiva: Miguel Nader o Caravaggio de #PecadoMortal



O ator Miguel Nader aceitou conversar com o Portal Recordista com exclusividade. Sempre muito bem humorado, respondeu às perguntas e falou sobre sua carreira, família, televisão e principalmente sobre como tem sido fazer o Caravaggio de Pecado Mortal.

Quem pensa que o ator se atém a um único trabalho por vez se enganou. Você vai descobrir nesta entrevista que ele tem trabalhos diversos e paralelos à Pecado Mortal, novela de Carlos Lombardi na Record. E ainda tem tempo e disposição para lazer e família.

Sobre o seu trabalho em Pecado Mortal ele afirmou “Gosto de fazer humor, mas podendo variar...vou preferir”

Leia na íntegra a entrevista com o ator Miguel Nader e saiba porque ele foi convidado por Carlos Lombardi para integrar o grande elenco de Pecado Mortal.

PR - Você já trabalhou na Globo, TV Bandeirantes, na extinta Manchete, na TV Brasil, TV Futura, HBO e agora está na Record. Tem diferença em trabalhar nessas emissoras de TV? Você se sentiu mais confortável em alguma delas?

Sempre fui muito bem recebido em todas as emissoras e sou muito grato por isso.  Posso afirmar que estou muito feliz na record e ficarei por lá enquanto me quiserem.

PR - O Caravaggio não é o primeiro policial de sua carreira. Você foi super feliz ao interpretar o policial Duplex na novela teen "Malhação"  Qual a principal diferença entre os dois personagens? A repercussão nas ruas foi igual?
A maturidade do ator. Já se passaram 13 anos entre o Duplex (2001) e o Caravaggio (2004). O Duplex era explosivo - agia muito pela emoção. O Caravaggio é mais sensato, eu acho!(risos). Até hoje nunca tive uma repercussão igual à do Duplex. Até hoje sou abordado na rua por conta do Duplex. Sendo que por homens de 25, 26, 27 anos que na época eram adolescentes.

Tem uma passagem engraçada com os atores Gustavo leão e o imitador e humorista Felipe Pontes: Quando fui gravar com eles no Zorra Total e em Floribela – eles, de forma muito carinhosa, se dirigiram a mim, me chamando de Duplex.  

PR - Você é conhecido do público pelos excelentes personagens cômicos que já fez na TV. Sente vontade de fazer novos personagens seguindo essa linha em núcleos de humor em novelas ou anseia fazer personagens diferentes, como pai de família, um alcoólatra, usuário de droga, algo que ainda não tenha interpretado?

Miguel Nader em cena de A Lei e o Crime
de Marcílio Moraes
 Costumo dizer que sou operário e anseio sempre por trabalhar. eu aceitei fazer a novela "Pecado Mortal" justamente por isso, fugir um pouco do rótulo humorista. Gosto de fazer humor, mas podendo variar...vou preferir. Fazer personagens que fogem da minha comodidade, segurança...é meu desafio, pra isso tenho que estar sempre muito preparado.

PR – Nós ficamos sabendo que você começou a tomar gosto pela culinária, ou podemos dizer que seria especificamente a culinária japonesa? Como começou? Virou um hobby?

A idade me fez pegar gosto em virar homem de casa. Cozinhar e consertar as coisas. Eu, minha esposa e filhos gostamos muito da comida japonesa e resolvi aprender pra agradá-los. Não sabia que era tão bom cuidar da família por este ponto de vista. Virou um hobby, sim. Isso tem se tornado assunto corriqueiro entre os amigos e aproveitamos pra trocar receitas.
 a culinária japonesa é a especialidade, mas estou me aventurado fazer outros pratos. A família agradece!(risos)

PR – Além de Pecado Mortal, ainda no ar. Existem trabalhos paralelos? Cinema, teatro. Conte para a gente.

Tenho meu show solo de humor "Rindo de Nader". Viajo o Brasil com ele.

Escrevo para 05 jornais (sp, rj e mg).

Estou com 03 filmes pra estreiar: O Pelegrino - sobre a vida de Paulo Coelho / O Destinatário  e Os Caras de Pau.

São quase 20 filmes no currículo incluindo internacional. Também sou diretor nas horas vagas. Acabei de dirigir 08 episódios de uma websérie.

Dou palestras sobre humor, aulas de teatro. Estou me virando bem!(risos)

PR – Por falar em Pecado Mortal, como foi receber um convite do autor Carlos Lombardi para a novela. Um projeto diferente do que ele vinha fazendo. E na tela, temos sempre a impressão que o núcleo da delegacia se diverte fazendo. É verdade?

 Quando recebi o convite do Lombardi fiquei muito empolgado. Estava colhendo um fruto plantado lá atrás no seriado "Guerra e Paz" ao qual fazia também um policial e era dupla com Marcos Pasquim. Tive a felicidade de receber críticas positivas ao meu trabalho e após 05 anos - veio o reconhecimento através do convite. Na delegacia criamos um vínculo muito grande de amizade, confiança... E por conta disso o clima é sempre muito alegre.

PR – Sobre o Caravaggio, no início ficava claro para o telespectador a sua admiração pelo chefe Picasso (Victor Hugo). O Caravaggio passa a impressão de que precisa de alguém para admirar, precisa de um herói. Seria essa, uma maneira de ele suprir a falta do “ex-amigo” Starsky (Carlos Bonow)?

O Picasso é o melhor tira do RJ e quando o Caravaggio foi chamado pelo próprio para integrar a sua equipe – O Caravaggio se sentiu valorizado e ganhou autoestima. Ele, para a família era tido como um fracassado e tudo mudou na equipe do Picasso. O Caravaggio tem gratidão e procura dentro da sua idolatria mostrar o lado humano do Picasso.  Sobre a dupla com Starsky ainda sei muito pouco - mas acredito que entre eles tinha uma amizade verdadeira, confiança. Coisa de irmão. 

PR – Você acredita que o Caravaggio pode se arrepender do caminho que escolheu e mudar de lado? Sem falar que ele ainda continua apaixonado pela Teresa (Tarciana Saad), mulher do Starsky. Para o ator, o Caravaggio merece um final feliz?

Miguel Nader caracterizado como Caravaggio
em Pecado Mortal
Acho que não abandonaria o Picasso. Ele pode fazer coisas erradas porque mandam, mas não tem malícia. A função dele é executar bem o serviço ordenado. Sobre a paixão dele por teresa - acho que é verdadeira e vai lutar por isso. Estou na torcida por um final feliz, mesmo achando que não! (risos)

PR – Como é o clima nos bastidores das gravações de Pecado Mortal?
 É muito bom! A gente não vê a hora passar. Estamos entre amigos de verdade!

PR – Você assinou contrato por obra para fazer Pecado Mortal? Aproveitando o gancho, esse formato de contrato, ao que parece tem se tornado mais comum. Para o ator é melhor assim ou ainda seria mais seguro um contrato fixo por um período maior?

 Assinei por obra. Por um período maior é mais seguro - o que não quer dizer que seria melhor. O importante é sua vida artística acontecer independente de tv. Daí você pode escolher o que quer fazer.

PR – Como você vê os investimentos de outros canais de TV, fora da Rede Globo,que já tem anos de experiência, no segmento teledramaturgia?

 Vejo com muita alegria. Tem também os canais fechados produzindo muita coisa. É bom pra todo mundo e não fica centralizado só na Globo. Que venham mais e mais emissoras produzindo!

PR – Para finalizar, a gente agradece por nos conceder essa entrevista. Sabemos que as gravações são sempre intensas. E dar os parabéns pelo excelente trabalho em Pecado Mortal. Essa é uma novela incrível. Sucesso sempre.
Obrigado e continuem assistindo "Pecado Mortal".

O ator Miguel Nader possui um blog pessoal que você pode acessar para saber mais sobre ele.


Colaboraram nesta entrevista: