quarta-feira, 23 de abril de 2014

Casal de “mocinhos” de “Vitória”, nova novela da Record, irá muito além do convencional















De um lado um homem bonito, determinado e de bom coração, do outro uma linda jovem que não mede esforços para conseguir realizar os seus sonhos. Juntos Artur, vivido pelo ator Bruno Ferrari e Diana, interpretada pela atriz Thaís Melchior viverão uma linda história de amor em “Vitória”, nova novela da Rede Record de autoria de Cristianne Fridman e direção geral de Edgard Miranda.
A princípio, ambos parecem ser mais um casal de pombinhos prestes a embalar o romance de uma próxima telenovela que o público acompanhará durante alguns meses. No entanto, Diana e Artur serão muito mais do que apenas dois jovens apaixonados que vão sonhar em se casar e viver felizes para sempre. Diferente de tudo o que vem sendo mostrado nos últimos anos nas novelas, eles terão muitas particularidades, além do desafio de vencer os seus medos e pagar pelas consequências das suas próprias escolhas.
Embora seja jovem, Diana terá temperamento forte e não dará o braço a torcer em nenhuma de suas decisões, fugindo totalmente das mocinhas indecisas e passivas dos folhetins tradicionais. Inclusive, chegará ao ponto de sair de casa e ir para a moradia do seu grande amor, atitude essa típica de personagens mais rebeldes e inconsequentes, como as vilãs, por exemploSó para se ter uma ideia, ela não se dará bem com o pai, que por machismo nunca acreditou em seu potencial como joqueta, mas sempre sonhou em ver o filho Mossoró, vivido por Ricky Tavares, como um jóquei de sucesso. 

Decidida a realizar seu maior sonho que é ser uma grande joqueta, ela crescerá participando de corridas disfarçada como homem para que não seja reconhecida pelo pai. Tinhosa e esforçada, ainda se orgulha do fato de ter concluído a escola de jóqueis sem que o seu pai Gregório, vivido pelo ator Antônio Grassi soubesse de nada.
O único que conseguirá domá-la será Artur que com seu jeito simples, atencioso e compreensivo, logo a deixará encantada. Diferente de qualquer outro homem que ela já tenha conhecido, Artur será um porto seguro para Diana, que só se sentirá feliz ao seu lado.
No entanto, assim como Diana, Artur também terá características mais humanizadas, se distanciando do perfeitinho mocinho convencional, a começar pelo fato de ser paraplégico, prática essa pouco comum aos protagonistas de novelas brasileiras, uma vez que na maioria das vezes os personagens se tornam cadeirantes por serem vilões e logo tal fato é apresentado como forma de castigá-los, o que diga a egoísta Luciana, interpretada por Alinne Borges em “Viver a Vida”, o homofóbico Doutor César, vivido por Antônio Fagundes em “Amor à Vida” e atualmente, a vilãzinha Dani, personagem da atriz Carolina Chamberlain em “Chiquititas”, que após inúmeras maldades se tornam cadeirantes e ganham a tão esperada redenção.
Além da condição física, Artur se diferenciará pelo seu lado obsessivo e vingativo. Rejeitado pelo homem que o criou e que acreditava ser seu pai, após sofrer um acidente que o deixou paraplégico aos 12 anos, ele guardará mesmo depois de 20 anos muita mágoa e rancor pelo suposto pai. Justiceiro, ele tentará a todo custo atingir Gregório e já nos primeiros capítulos colocará fogo na cocheira da fazenda do ex-marido de sua mãe e pai de sua amada, mostrando a que veio.
Quer saber como será o desenrolar de toda essa história? Então não perca “Vitória”. A trama tem previsão de estreia para junho em substituição a “Pecado Mortal”. Imperdível!

Texto por Luciano Andrade - @luccandrade
Colaborou: Maressa Villa Real - @maressavilareal
© Todos os direitos reservados

Leia também: