segunda-feira, 28 de abril de 2014

Incesto premeditado marcará casal protagonista de “Vitória”, nova novela da Record


Embora não seja um tema totalmente novo a ser abordado nos folhetins, o incesto sempre foi visto como um tabu, afinal retratar uma relação amorosa entre parentes próximos é polêmico e sempre dar o que falar. Em “Vitória”, nova novela da Rede Record o tema voltará aos holofotes, mas será retratado de uma forma bem peculiar. Na trama de Cristianne Fridman o incesto será premeditado por um dos envolvidos na prática e promete deixar grandes marcas.

Tudo começa quando Artur, protagonista interpretado pelo ator Bruno Ferrari se envolve num trágico acidente aos 12 anos de idade, quando cairá de um cavalo e ficará paraplégico. Após o acontecido o jovem garoto não contará nesse momento tão difícil com o apoio do pai Gregório, vivido por Antônio Grassi, que ficará decepcionado ao saber que o seu filho não poderá mais ter um futuro promissor como um jóquei de sucesso. Logo, Artur crescerá com o sentimento de rejeição do pai na memória e extremamente magoado prometerá se vingar dele a todo custo.

Clarice, mãe do jovem, interpretada pela renomada atriz Beth Goulart irá se separar de Gregório e guardará por anos o segredo quanto a verdadeira paternidade do filho, mas ao perceber que os planos dele de se vingar do pai estavam indo longe demais, irá revelá-lo que não é filho biológico de Gregório, imaginando que só assim acabará com o tal desejo de vingança. Contudo, após a descoberta a vontade de vingar-se do ex-marido de sua mãe só aumentará a cada dia. 

Apesar de algumas limitações por ser cadeirante Artur se tornará um homem bem sucedido,  dono do Haras Arminho e de uma rede de hotéis. Passado 20 anos ele se envolverá com Diana, protagonista vivida pela atriz Thaís Melchior, filha do segundo casamento de Gregório, seu maior inimigo. E por ironia do destino o plano de vingança acabará se transformando em uma linda história de amor. 

O envolvimento entre os dois será tão forte que Artur não conseguirá mais viver sem ter Diana ao seu lado. No entanto, quando cair à ficha que realmente se apaixonou por ela será tarde demais. A joqueta já terá descoberto através de Bernardo, interpretado pelo ator Paulo César Grande que ambos são irmãos e se sentirá a pessoa mais “suja” do mundo ao ter feito amor com o próprio irmão, dando fim ao relacionamento.

Por outro lado Artur perceberá que o seu plano de vingança deu muito certo, principalmente ao ver com os próprios olhos o mundo de Gregório se desmoronar. Entretanto, terá de escolher entre manter o plano de vingança em prática e perder o grande amor de sua vida ou contar toda a verdade e dar fim ao tal castigo. 

Essa porém, não será a primeira vez que um suposto incesto é apresentado em produções da Record. Em “Máscaras” de Lauro César Muniz, Heitor Martinez interpretou Martim, que sentia forte atração por sua irmã Maria, vivida por Miriam Freeland, porém no decorrer da trama foi revelado que eles não eram irmãos de sangue.

Já no especial de fim de ano da Record “A Tragédia da Rua das Flores”, foi apresentado um incesto involuntário entre mãe e filho. No telefilme baseado na conto de Eça de Queiroz, a atriz Daniela Galli viveu Genoveva, uma ex-cortesã que se apaixona por Victor, interpretado por Arthur Aguiar, seu próprio filho abandonado por ela no passado. Muitas grandes obras da literatura, teatro e cinema mundial também já abordaram a temática com realismo e beleza, que o diga a tragédia grega “Édipo Rei” de Sófocles, que narra as aventuras de Édipo que é proclamado rei e acaba se casando com a viúva de Laios, Jocasta, sua mãe verdadeira. 

Os Maias, de Eça de Queiroz, também é outra obra magnífica que descreve a história de amor incestuoso entre os irmãos Carlos da Maia e Maria Eduarda. Além do filme “O Sopro do Coração” dirigido pelo grande diretor francês Louis Malle, que conta a história de Laurent, um adolescente que ao contrair um problema no coração viverá uma grande história de amor com sua mãe Clara.

“Vitória” tem previsão de estreia para a primeira quinzena de junho em substituição a “Pecado Mortal”. Além do incesto a trama discutirá temas atuais e de grande apelo social como o alcoolismo, o assédio sexual no ambiente de trabalho, o trabalho infantil, o neonazismo, entre outros. É imperdível!


Texto por Luciano Andrade - @luccandrade
© Todos os direitos reservados