quarta-feira, 7 de maio de 2014

A interferência dos pais na profissão dos filhos será debatido em “Vitória”, nova novela da Record


Uma das maiores preocupações dos pais quando percebem que os filhos já não são mais crianças é se assegurarem que em breve eles estarão optando por uma boa profissão, se tornando pessoas bem sucedidas e felizes profissionalmente. Já que carregam a voz da experiência os mesmos sempre possuirão um álibi a mais no momento de opinar ou instruir os filhos em suas decisões. No entanto, tais sugestões ou recomendações podem ultrapassar o limite necessário e ocasionar em possíveis frustrações tanto para os filhos como também para os próprios pais.

Em “Vitória”, nova novela da Rede Record de autoria da renomada dramaturga Cristianne Fridman e direção geral de Edgard Miranda, o tema será colocado em pauta e promete trazer bons embates. Gregório, personagem vivido pelo ator Antônio Grassi será um bom exemplo de pai que se preocupará com o futuro profissional dos filhos Diana interpretada pela atriz Thaís Melchior e Mossoró, vivido pelo ator Ricky Tavares. Viúvo e apaixonado por cavalos de corrida, ele será proprietário do Haras Altacyr Ferreira, que herdou do pai, mas que no momento enfrenta uma grave crise financeira.

Austero e taxativo, ele não esconderá de ninguém o desejo de ver o filho caçula Mossoró seguindo os seus passos na administração do haras, desejo este que não será prontamente atendido pelo filho, que não herdou do pai a paixão pelos cavalos e não possuirá interesse pelo empreendimento. Dono de um clube de motocross e sócio de um bar, o jovem será a princípio uma espécie de decepção para o pai.

Em contramão, a sua filha Diana, com quem sempre viveu em pé de guerra devido a proibição em não deixá-la cavalgar e seguir a carreira de joqueta, até mesmo por certo machismo, se mostrará uma excelente profissional do ramo. Apaixonada pelas corridas, amante do haras, a bela dará o sangue se for possível para colocar o Altacyr Ferreira numa situação financeira mais confortável e realizar o seu grande sonho de ser uma joqueta de sucesso com ou sem o consentimento do pai.

Quem passou por essa dificuldade em ir em busca do seu sonho sem o apoio inicial dos pais foi o conceituado ator Gustavo Ottoni. Hoje um profissional reconhecido e com inúmeros trabalhos no currículo, ele teve que passar por trancos e barrancos para se firmar na profissão: “No início foi difícil. Eu abandonei duas faculdades, a de Física e a de Engenharia para estudar Teatro. Minha mãe foi à loucura. Tive que sair da casa, fui morar com minha avó. Depois minha mãe virou minha fã número 1 até o dia em que ela se foi!”, destacou o ator que em “Vitória” dará vida ao secretário particular Javier, um homem íntegro que tentará ao máximo impedir seu patrão Artur, interpretado pelo ator Bruno Ferrari de possíveis enrascadas.

Em contrapartida há também exemplos de profissionais que desde o início já sabiam qual carreira iriam seguir e que sempre tiveram o apoio dos seus familiares. É o caso da talentosa atriz Rose Lima, destaque nos palcos e conhecida do público pelas inúmeras personagens cômicas na TV: “Eu comecei a fazer Teatro com 13 anos, foi super tranquilo, o teatro era perto da minha casa e minha mãe sempre apoiou porque eu já queria ser atriz desde os 7 anos. Meu pai já tinha falecido, mas com certeza apoiaria, eles só queriam ver os filhos felizes!”, destaca a atriz que em “Vitória” interpretará a empregada Catarina, uma mulher guerreira que entrará em conflito com a irmã Laíza, vivida por Aline Borges, que ao contrário dela sempre buscou meios mais fáceis e rápidos de subir na vida.

Para saber como será o desenrolar dessas e de tantas outras histórias, não perca “Vitória”. A trama tem previsão de estreia para o dia 2 de junho em substituição a “Pecado Mortal”. Com um elenco de peso e marcada por temas atuais o folhetim promete ser eletrizante do começo ao fim. Não dá pra perder!

Texto por Luciano Andrade - @luccandrade
Colaborou: Maressa Villa Real - @maressavilareal
© Todos os direitos reservados

Leia também: