terça-feira, 20 de maio de 2014

O trabalho infantil entrará em pauta em “Vitória”, nova novela da Record

O trabalho infantil continua sendo um grave problema social no Brasil. Milhares de crianças ainda deixam de ir à escola e ter seus direitos preservados para trabalharem em lavouras, fábricas, no campo ou em casas de família, muitas vezes em regime de exploração ou quase escravidão, já que em alguns casos não chegam a receber nenhuma remuneração pelo suor derramado.

A Constituição Brasileira é clara: menores de 16 anos são proibidos de trabalhar, exceto como aprendizes e somente a partir dos 14. No entanto, na prática a realidade é outra. Em “Vitória”, nova novela da Rede Record de autoria de Cristianne Fridman e direção geral de Edgard Miranda, o tema estará em pauta e promete boas discussões.

Cícero, mas conhecido como Cicinho, interpretado pelo talentoso ator mirim Pablo Mothé será um garoto de doze anos, amadurecido para a sua idade, órfão de mãe, expert em Matemática e corajoso que terá uma vida difícil ao lado do pai Ednaldo, vivido pelo conceituado ator Raymundo de Souza. Criado apenas pelo pai que não possui uma boa condição financeira, terá de trabalhar pesado junto a ele no Haras Arminho: “O Ednaldo não se preocupa com as aulas e sim com o sustento deles. Se ele perder o emprego os dois não terão para onde ir. O importante para o Ednaldo é o emprego de onde vem o sustento”, ressalta o ator Raymundo de Souza que fará em “Vitória”, o seu décimo primeiro trabalho na emissora.

Como sofrerá da coluna Ednaldo terá de contar com a ajuda do filho para dar conta do serviço. Embora ame demais o garoto, ele será um homem rude, tosco, que dificilmente terá um gesto amoroso com o filho, que graças ao bom desempenho escolar garantiu uma bolsa no colégio particular Priscila Schiller, mas que devido ao trabalho acabará perdendo muitas aulas. “Ele vai ficar triste de faltar aula, de não poder ver os amigos e principalmente a Gabi. Vai perceber que o pai dele não deixa nada, mas vai entender a situação do pai. Ele fica preocupado de perder a bolsa de estudos, mas não quer prejudicar o pai”, destaca o ator Pablo Mothé, intérprete de Cicinho.

Ao abandonarem a escola, ou terem que dividir o tempo entre o colégio e o trabalho, o rendimento escolar da maioria das crianças tende a cair, se tornando sérias candidatas ao abandono escolar e consequentemente ao despreparo para o mercado de trabalho, tendo que aceitar sub-empregos e assim continuarem alimentando o ciclo de pobreza no país. Comum em países subdesenvolvidos e países emergentes como no Brasil, onde  3,7 milhões de meninos e meninas ainda estão em atividades econômicas ilegais, conforme dados  de 2011 do FNPETI (Fórum Nacional para a Erradicação do Trabalho Infantil), exploração do trabalho infantil na maioria das vezes ocorre devido à necessidade de ajudar financeiramente a família. Muitas destas famílias inclusive, são geralmente de pessoas pobres que possuem muitos filhos.

E será justamente esse o foco dado pela trama, que ao invés de tratar o tema de forma didática, abordará sob um ângulo diferente, discutindo o que fazer com as famílias que dependem necessariamente do trabalho infantil, aquelas em que sem auxílio da força de trabalho dos filhos não terão condições de alimentá-los e/ou educá-los. “Vitória” estreia dia 2 de junho, às 21h15 na Record. Não perca!