quarta-feira, 28 de maio de 2014

Os prós e os contras do metrossexualismo serão retratados em “Vitória”, na Record
























Foi-se o tempo em que a preocupação com a aparência era algo exclusivo das mulheres. Atualmente, os cuidados indispensáveis a beleza e ao corpo estão se tornando cada vez mais comuns no cotidiano de muitos homens. Denominados como metrossexuais, o termo originário do final dos anos 90 vem a cada dia ganhando novos adeptos e se consolidando como muito mais do que uma simples tendência.

Em “Vitória”, nova novela da Rede Record de autoria de Cristianne Fridman e direção geral de Edgard Miranda, o jovem e talentoso ator Rocco Pitanga dará vida a Nelito, um cavalariço metrossexual convicto, bom caráter e extrovertido que trabalhará no Haras Altacyr Ferreira, pertencente a Gregório, interpretado pelo ator Antônio Grassi.

No entanto, o fato de ser metrossexual ao invés de lhe trazer reconhecimento e elogios, vai lhe gerar muitos conflitos no trabalho. Ele que como cavalariço será responsável pelo trato dos cavalos como um todo, irá sofrer com as chacotas dos colegas que terão atitudes machistas e o tratarão com desdenho por puro preconceito. Nelito irá namorar a bela joqueta Luciene, vivida pela atriz Bruna Di Túlio, que ao contrário dos companheiros de trabalho não terá a princípio problema algum com os cuidados excessivos do amado com sua aparência.

Apesar de ainda haver certo receio de muitos homens em se assumirem metrossexuais, o que necessariamente não vem a afetar a sua masculinidade, muitas empresas ligadas aos setores de moda e cosméticos, não só perceberam a mudança de comportamento, como estão explorando fortemente esse novo mercado.

Preocupado com o visual, o homem moderno vem recorrendo a cremes, autobronzeadores, hidratantes, perfumaria, tintura, esfoliantes, drenagem linfática, depilação, spas e clínicas de estética. O nosso país inclusive, já é o segundo maior mercado de cuidados pessoais masculinos do mundo. Somente em 2010, os brasileiros gastaram mais de 2,69 bilhões de dólares com produtos de beleza, segundo a consultoria Euromonitor International.