segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Análise: Tá Na Tela da Band com Luiz Bacci não trouxe nada de novo

Palco do programa Tá Na Tela


Cópia de Balanço Geral, Cidade Alerta (ambos da Record) e cópia também, do Brasil Urgente da Band que vem logo após o Tá Na Tela. Essa é a melhor definição do programa apresentado por Luiz Bacci na Band, o Tá Na Tela.

Luiz Bacci estreou um programa novo na Band, mas, fora o fato de ter uma plateia apática, não trouxe nada de novo. O Programa "Tá Na Tela" começou confuso. Com um excesso de jargões do tipo:

"Acaba de me chegar imagens"
"Daqui a pouco..."
"Me dá o helicóptero"
"Põe na Tela"
e por aí segue.

Um festival de crimes. Assim foi o início do programa de Luiz bacci, Ta Na Tela. Depois o programa partiu em busca da famosa prostituta que virou minissérie, Hilda Furacão. Para quê? Não faço ideia.

E a "grande" matéria do dia, foi uma reportagem sobre Cirurgia Espiritual, visitando o médium conhecido como João de Deus, em Abadiânia, interior de Goiás.

E finalizou com uma entrevista que não terminou, com o suspeito pelo assassinato do Mc Daleste.

Em relação a audiência. Segundo dados prévios do IBOPE, o Tá Na Tela estreou com 2,8 pontos de média na grande São Paulo. Picos de segundo lugar durante cinco minutos. Chegando ao máximo de 4,3 pontos. Durante o confronto a Globo liderou com folga, com 11 pontos, o SBT com 5 e a Record, com o Programa da Tarde fechou, durante o confronto com o Tá na Tela com 4 pontos.

É importante dizer que em semana de estreia, qualquer programa tende a ter uma audiência maior, por conta da curiosidade do telespectador. Mas baseando-se pela repercussão negativa nas redes sociais, será complicado manter um número em audiência.

E de novidade o que esperar?

Acho que é isso e nada mais.

André Lima
Portal Recordista