quinta-feira, 2 de abril de 2015

#CrônicaDaTV: Record expõe e constrange Fabíola Gadelha no #Gugu


Se a ideia era mostrar que tudo foi feito na base da camaradagem, o tiro saiu pela culatra. Ontem (01-04), no Gugu, a noite seria de Marcelo Rezende. Chamando toda a sua equipe, ou pelo menos parte dela. Fabíola Gadelha, que até então, apresentava o Balanço Geral SP manhã, foi obrigada a fazer caras e bocas ao lado de Luiz Bacci. O mesmo que não pensou duas vezes em abandonar a Record para ir em busca de promessas vazias da TV Bandeirantes.

Pois bem. O ápice do constrangimento da "Rabo de Arraia" foi ter que ouvir calada e engolir a seco o Luiz Bacci, mostrando total imaturidade de sempre, dizer:

"A Fabíola cansou de acordar cedo e deixou o Balanço Geral Manhã e eu estou assumindo a partir de amanhã, às 6 horas"

Talvez ele tenha aproveitado o dia da mentira para fazer este tipo de declaração

Em contrapartida, Marcelo Rezende foi categórico. "Hoje em dia, eu o chamarei de Luiz Bacci e não mais de Menino de Ouro."

Foi o analógico a dizer: Chegou a hora de virar homem.

O problema não é exatamente, trocar a Fabíola Gadelha por Luiz Bacci. Isso é opção da direção do canal. O problema é expor uma contratada da casa, em um momento de tristeza, pois ela foi preterida. E ainda ser obrigada a sorrir, mostrar os dentes e ainda dançar no palco do Gugu.

Foi uma "vergonha alheia". E cabe a mim, escrever aqui no Crônica da TV e declarar minha solidariedade à Fabíola e meu apoio moral.

Sobre seu comando no Balanço Geral Manhã, o que eu posso dizer é que sempre era muito agradável, acordar cedo e ouvir uma pessoa do bem, educada e alegre reportar a notícia sem gritar nos meus ouvidos logo cedo.

Agora é bola para frente que o tempo não para e a caminhada é longa. Eu, particularmente, torço muito por ela. Pessoa de personalidade que nunca, em momento algum, pensou em imitar Marcelo Rezende. Sempre que comandou o Balanço Geral e o Cidade Alerta, fez do seu jeito. E espero que a alegria e sorriso contagiante da "Rabo de Arraia" não se apague.

Sobre Luiz Bacci, vou me limitar a dizer que não tem personalidade própria e precisa aprender muita coisa. E sobre seu suposto arrependimento, não acredito em nada do que ele disse ao Gugu e muito menos no momento em que assumiu "Culpa". Foi só mais um "tirar o corpo fora". Como ele mesmo fez ao jogar a culpa do fracasso do seu programa na Band, o "Tá na Tela", na equipe. Mas, só para lembrar ao telespectador, quando o programa dava picos de terceiro lugar ele se autoproclamava o salvador da audiência da Band. Um apresentador que diz estar no mundo da TV desde os dez anos de idade, dizer que até hoje é inexperiente. Vai adquirir experiência quando?

E espero que a Record não tenha dado mais um tiro no pé.

Assim caminha a TV. Um show de horrores que o telespectador assiste e muitas vezes, aplaude. Sigamos avante.


P.S. Esta coluna é assinada por mim. E as opiniões expressas aqui são minhas e não sofre quaisquer interferência da direção deste blog.