segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Crítica: #EscravaMae termina e RecordTV não tem substituta inédita a tempo

´Foto: Edu Moraes/Record


A novela “Escrava Mãe” de Gustavo Reiz e direção de Ivan Zettel termina na próxima segunda-feira (09/01) às 19 e 40, com um saldo bastante positivo.

Audiência que deve fechar com 11 pontos de média geral na Grande SP, elogiada pelo público e crítica, sendo a primeira novela no horário depois de alguns anos, ou seja, abrindo um horário, antes ocupado pelo  jornalístico “Cidade Alerta”.

Nos últimos capítulos, a emissora utilizou recursos de edição para diminuir o tempo de arte inédito para ganhar mais tempo e exibir o último capítulo na próxima segunda, o que chateou alguns telespectadores.

Entretanto, depois de 7 meses da estreia da trama, a RecordTV não preparou uma novela inédita, o que fez reexibir “A Escrava Isaura” de Tiago Santiago, novela de 2004 e já exibida em outras oportunidades.

Os pontos positivos são que as histórias se dialogam, “A Escrava Isaura” é uma espécie de continuação de “Escrava Mãe”, muitas pessoas terão oportunidade de ver ou rever a trama, sendo uma história universal e um sucesso internacional. O ponto negativo é que a emissora poderia estar exibindo “Belaventura”, novela também de Gustavo Reiz no horário e ter índices de audiência melhores e deixar a reprise para as tardes em outra oportunidade.

Alguns colunistas afirmam que será um compacto dos capítulos de “A Escrava Isaura” enquanto “Belaventura” inicia as gravações e quem sabe estreia com a maior parte dos capítulos editados, prontos para ir ao ar. A esperança é que a substituta de “Belaventura” seja pensada ainda este ano e quem sabe também comece a gravar no segundo semestre, já que a novela inédita acaba em meados de janeiro de 2018.




Conheça a história de “A Escrava Isaura”

Isaura (Bianca Rinaldi) nasce em 1835, na fazenda do Comendador Almeida (Rubens de Falco), em Campos. Ela é filha da bela Juliana (Valquiria Ribeiro), escrava do Comendador, e do feitor da fazenda, seu Miguel (Jackson Antunes). Juliana morre pouco depois do parto, e Isaura é criada e educada por Gertrudes (Norma Blum), esposa do Comendador, que sempre quis ter uma filha. Apesar da excelente educação e de ter a pele clara, Isaura é escrava do Comendador, por ter nascido filha de sua escrava.

Depois de contar a história de amor entre a escrava Juliana e o feitor Miguel e o nascimento de Isaura, a trama da novela avança para 1854, quando Isaura tem 19 anos e é uma bela casta donzela.
 Tudo se complica na vida dela, quando volta para a fazenda o senhor Leôncio (Leopoldo Pacheco), filho do Comendador, que desenvolve uma paixão louca pela linda escravinha. Leôncio é obrigado a se casar por interesse com Malvina (Maria Ribeiro), filha do rico Coronel Sebastião (Paulo Figueiredo). Mas mesmo assim tenta seduzir Isaura, querendo que a donzela seja sua amante. Contudo, todas as tentativas e propostas de Leôncio são sempre rechaçadas pela virtuosa Isaura.

Gertrudes tem muita vontade de dar a liberdade à sua querida Isaura, mas morre antes de conseguir realizar este objetivo. Pouco depois da morte de Gertrudes, o Comendador Almeida também morre. Leôncio queima o testamento onde ele deixava a alforria para Isaura e torna-se assim o dono da escrava.

A vida de Isaura piora muito com a morte de Gertrudes e do Comendador. Leôncio se torna cada vez mais insistente, e sua paixão secreta pela escrava é descoberta primeiro por Henrique (Gabriel Gracindo), cunhado de Leôncio, que também é apaixonado por Isaura; e logo depois por Malvina, que não demora muito a perceber a obsessão de seu marido pela bela escrava.


O fundo histórico da novela é a luta pela liberdade dos escravos, ainda no começo da causa abolicionista, no florescimento da cultura do café no Brasil.


Hoje (09) logo após o último capítulo de "Escrava Mãe", irá ao ar o primeiro capítulo de "A Escrava Isaura".

Por Elthon Ribeiro
Twitter @elthonribeiro


Portal Recordista