terça-feira, 9 de setembro de 2014

#CrônicaDaTV: O sucesso que ninguém noticia e a ingratidão de outros




Leia na coluna de hoje:

Ingratidãode Chay Suede?

Jornal da Record nas Eleições

As vitórias de Vitória

Personagem de André Di Mauro cativa público

Raymundo de Souza e Pablo Mothé – Bela dobradinha em Vitória

Mão à Palmatória



Ingratidão de Chay Suede?

Em entrevista para o Jô Soares, no Programa do Jô, o cantor e ator Chay Sued resolveu esquecer que está na TV por causa do reality musical da Record, Ídolos e da novela e da Banda teen, Rebelde / Rebelde, também da Rede Record. Veja só que coincidência. Não?
Pois é, segundo ele contou ao Jô Soares, seu sucesso se deveu ao fato de ter participado de um festival de música, que ninguém nunca ouviu falar.
Mas, os fãs não esquecem do que o levou ao estrelato. Rebelde da Record.
Eis a verdade, nua e crua.

Jornal da Record nas Eleições

Começou na noite de ontem, segunda-feira (08-09-14), a sucessão de entrevistas com os presidenciáveis. Cada entrevistado tem um total de 12 minutos. Adriana Araújo e Celso Freitas, foram profissionais e não deixaram de fazer nenhuma pergunta. Adriana Araújo mostrou que o jornalismo imparcial é marca da Record.
Vamos aguardar as próximas e ver se o padrão de jornalismo de qualidade da Record se mantém.
Foi ótimo. Ontem o Jornal da Record consolidou 8,8 pontos de audiência em São Paulo. Cada ponto equivale a 65 mil domicílios.

As vitórias de Vitória

A novela Vitória, de Cristianne Fridman, segue seu trajeto de sucesso. Mesmo concorrendo com a principal audiência da Rede Globo, a novela de Agnaldo Silva, Império. Que por sinal, já não mete mais tanto medo em ninguém assim, vem mantendo o seu público fiel e, gradativamente, conquistando mais alguns. A novela já chegou a alcançar 8 pontos de média. Marca significativamente boa, principalmente para o horário.
Os protagonistas, por fim, ganharam vez e voz. Começa a desembaraçar o emaranhado complicado da relação pseudo-incestuosa do casal protagonista. Tudo se encaminha para dar mais romantismo à trama. Porque no mais, tudo está muito, mas muito bem mesmo.

Personagem de André Di Mauro cativa público

O Jorge (André Di Mauro) foi inicialmente criado para discutir a relação chefe e empregada. Onde o assédio sexual e moral seria a sua marca na trama. Além do seu lado machista e ignorante, quando nas primeiras cenas ele chegou a bater, com força, na irmã adolescente.
Com o sucesso do personagem. E seu bordão já famoso e utilizado em redes sociais “Isso é Falta de laço”, dito com um sotaque do Rio Grande do Sul. A autora, Cristianne Fridman resolveu por aproveitar esse carisma que o ator e o personagem tem. E tem dado muito certo.
O Jorge, é mais um, dos muitos personagens de sucesso do ator André Di Mauro, que coleciona bons trabalhos na Record. Inclusive, em texto de Cristianne Fridman. Bela parceria.

Raymundo de Souza e Pablo Mothé – Bela dobradinha em Vitória

Ainda sobre vitória. Nesses últimos capítulos. Raymundo de Souza tem podido mostrar seu talento. O personagem Ednaldo, pai do Cicinho (Pablo Mothé) tem passado por um drama com o sumiço do menino que fugiu assustado com medo de Priscila (Juliana Silveira) matá-lo.
Quem não se emociona com as cenas de Raymundo de Souza, Pablo Mothé e Roberta Gualda?

Trabalho lindo.

Mão à Palmatória

Críticas a gente sempre faz. O que não quer dizer que tenhamos razão. Em uma de minhas críticas anteriores. Eu usei esta ingênua coluna para reclamar de ter que ver José do Egito sendo reprisada em tão pouco tempo, depois de ter sido exibida enquanto minissérie inédita. E no início, realmente, não agradou, a audiência não correspondeu. Mas a minissérie mostrou sua força nos capítulos finais e tem surpreendido, principalmente a mim que não acreditava que a reprise não passaria de 6 pontos.
Pois bem, estou aqui para dizer que José do Egito tem um apelo emocional muito forte. Será difícil uma minissérie como essa. José é um personagem muito querido, muito honesto, de caráter. O telespectador, demonstra assim, que gosta de acompanhar histórias de gente de bem, que faz o bem, que é justo. Mais uma vez a minha tese: “ A gente quer torcer por gente de bem”. José do Egito mostra isso.
Em sua reprise a minissérie já alcançou 10 pontos na sexta-feira. E não foi de picos e sim de média.
Sucesso novamente.